União de esforços para um bem comum

O Grupo de Trabalho de Envolvimento e Iniciativa Ambiental (GTEIA) é uma aliança entre dois elementos: a necessidade de representantes de sustentabilidade em todas as unidades da Sociedade Inteligência e Coração (SIC) e uma alusão à teia da vida, na qual tudo está em conexão e todos atentos aos contextos.

Entre seus princípios, o GTEIA tem parceria, flexibilidade, processos cíclicos e a interdependência. Cada unidade tem um articulador com o objetivo de ser o multiplicador desse compromisso. Para nortear a atuação, logo no início de sua criação, o Grupo desenvolveu a Avaliação Geral da SIC que revelou detalhes das práticas socioambientais das oito unidades da Instituição. Confira algumas ações que reforçam o senso pelas escolas:

O despertar e vozes em movimento

• Espetáculo produzido e protagonizado pelos estudantes e educadores do Armazém de Ideias e Ações Comunitárias (AIACOM) – Rio de Janeiro. A peça aborda a sustentabilidade e reflete sobre a relação do homem com a natureza.

• Os jovens do AIACOM também utilizam as redes sociais para propagar, por meio de produções audiovisuais, ideias e debates referentes a assuntos que afetam o dia a dia da comunidade.

Dia Sussa e Minhocário

• Em Belo Horizonte (MG), o projeto pedagógico do Colégio Santo Agostinho busca envolver a comunidade educativa no cuidado com o planeta. Pais, alunos e professores participam de um dia dedicado à ecologia, com reflexões, oficinas e discussão sobre como desenvolver relações mais sustentáveis com a Casa Comum.

• Também na unidade os alunos do 7º ano participaram do projeto Minhocário: Compostagem com Minhocas, no qual eles refletiram sobre os impactos dos maus hábitos para o meio ambiente. O minhocário tem a vermicompostagem, processo onde bactérias e fungos (decompositores) transformam resíduos orgânicos em adubo, com a facilitação de minhocas (detritívoros).

Projeto Parque Fernão Dias e coleta reciclável

• Em Contagem (MG), a comunidade educativa do Colégio Santo Agostinho se dedicou a resgatar a importância de parques e áreas verdes na cidade. No Projeto Parque Fernão Dias, ela realizou diversas ações, como o plantio de muda de árvores; mutirão de limpeza; levantamento de espécies nativas e a aprovação do projeto que criou a Área de Proteção Ambiental do Fernão Dias (APA).

• Desde 2011, o Colégio também se tornou ponto de referência para armazenamento de materiais recicláveis trazidos pelos estudantes e familiares, que são condicionados em quatro grandes bags. Os resíduos são retirados pela Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Contagem (ASMAC), que faz a destinação correta.

Okupa EPSA

• Apropriando-se dos espaços públicos, pais, estudantes, professores e moradores ao redor da Escola Profissionalizante Santo Agostinho (EPSA), no Barreiro (MG), dão, anualmente, o seu grito em prol da sustentabilidade. Por meio de oficinas e atividades nas praças e ruas da comunidade, a instituição fortalece os laços e a importância de se ter uma consciência ecológica.

Eco-brechó

• No Gutierrez, onde está a segunda unidade do Colégio Santo Agostinho, em Belo Horizonte (MG), um Eco-brechó colocou em prática o conceito de reutilizar e compartilhar produtos que não atendam mais às necessidades estéticas ou utilitárias de um usuário. A iniciativa dos professores sensibilizou os alunos para uma nova consciência de consumo, que extrapola o modelo atual, marcado pelo desperdício e forte impacto no meio ambiente.

Ações por todos os cantos

• Em Nova Lima (MG), o Colégio Santo Agostinho traduz as ações de sustentabilidade com a coleta e o tratamento de água pluvial, além da priorização da ventilação cruzada. No cotidiano escolar, por exemplo, não se utiliza água potável para higienização de ambientes e irrigação de jardins.

• A horta e o aumento da arborização foram outras práticas. Além disso, ao conquistarem a premiação de uma multinacional, os estudantes agostinianos colocaram “a mão na massa” e ajudaram a construir um jardim, uma horta, um pequeno pomar, uma estrutura de coleta seletiva na Creche São Judas Tadeu, que atende crianças carentes no bairro Jardim Canadá, também em Nova Lima.

• Por meio do projeto “Por Aqui Passa Um Rio”, realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas, eles participaram do mapeamento da qualidade da água em afluentes que estão no entorno do Colégio.