Uma concepção, uma visão, uma proposição.

Nunca duvide que um pequeno grupo de pessoas conscientes e engajadas possa mudar o mundo. De fato, sempre foi assim que o mundo mudou.

Margaret Mead

A palavra plataforma remete a um lugar ou estrutura de apoio que possibilita a projeção e lançamento de objetos e pessoas. Já o termo terráqueo significa aquele que habita a Terra. Nessa perspectiva, de unir e impulsionar ações que fazem diferença para a vida no universo, a Plataforma Terráqueos foi criada em 2011, no Colégio Santo Agostinho – Contagem, atuando em três frentes interligadas: pessoas, planeta e animais.

Para os terráqueos “o outro” extrapola o ser humano, expande a sua generosidade e amplia o seu olhar e cuidado para com todos os integrantes da Terra. A visão de educação da Plataforma enxerga a criança e o jovem de hoje e o adulto de amanhã como sujeitos que interferem, promovem e se posicionam em favor das ações que realizam o bem comum.

Ao ensaiar os seus primeiros passos em 2011, existia apenas uma certeza: o querer não era impressionar pelo discurso, mas a proposta precisava ser traduzida e vista por meio de ações concretas. A Plataforma tomou e vem tomando forma, à custa e na medida em que, são respondidas as perguntas, os questionamentos e as provocações no enfrentamento da descrença e dos obstáculos.

Ações da Plataforma Terráqueos desde 2011


Pedro Lino, estudante e participante da Plataforma Terráqueos, em entrevista a uma emissora de TV, no ano de 2012.

“No início, foi difícil para todos entender que a Plataforma era uma estrutura capaz de dar proporção às boas ideias. Era o fim da sensação de “gotinhas no oceano”, porque nos mostrou a capacidade de mudar a nossa escola, o nosso bairro, a nossa cidade. É o diferencial crítico. Parar de olhar para o planeta e suas questões com distância é mostrar que temos tudo a ver com o que acontece, porque somos vivos, jovens e aptos. O suficiente para fazer a diferença. Essa é uma missão que nunca termina.”

Uma escola em movimento

Nas eleições para prefeito de Contagem, Minas Gerais, em 2012 e 2016, foram realizados no Colégio debates (foto) com os seis candidatos ao governo da cidade. Os estudantes participaram da elaboração das perguntas e da organização do evento, o que reafirmou a escola como lugar de encontro e de formadores de opinião para decisão na hora do voto.

 


Debate entre candidatos à Prefeitura de Contagem (MG)


Alunos do 8º ano participam da Campanha Solidária em favor do Haiti

Pelas pessoas

Para contribuir com a Pastoral da Criança no Haiti, os estudantes conseguiram arrecadar mais de R$33 mil em pequenas ações ao longo de 2012. Entre as atividades estão a venda de doces, o cofre que a cada semana foi para a casa de um aluno e doações diversas.

Campanha de doação de bonecas às mulheres e crianças do Haiti

Com objetivo de levar um pouco mais de carinho às crianças e mulheres vítimas do terremoto no Haiti, a Plataforma Terráqueos lançou uma campanha que arrecadou bonecas que foram enviadas à Pastoral da Criança no país, em 2012.


Mulher haitiana símbolo da campanha de arrecadação de bonecas

Um dia sem sapatos

Desde 2011, o Colégio Santo Agostinho – Contagem realiza o Um Dia sem Sapatos. Durante a ação, é permitido ficar descalço, desde que seja feita uma doação. Os pés descalços são um símbolo de solidariedade com todos que não possuem bens e cuidados básicos.


Apoio aos catadores de recicláveis


Dentro do conceito de escola em pastoral, a Plataforma Terráqueos ofereceu apoio aos catadores de papel que estavam sem contrato assinado com a Prefeitura de Contagem (MG). Sem pagar as contas do galpão onde trabalham, eles corriam risco de despejo.



Pelo planeta

Até quando a escola deve ser a intermediária entre as residências e o galpão dos catadores? O correto não seria a coleta seletiva de porta em porta? Buscando respostas para essas perguntas, a comunidade escolar entrou em contato com a Prefeitura de Contagem (MG) e a Secretaria Adjunta de Limpeza Urbana e conheceu o projeto de coleta de resíduos recicláveis do município. Os estudantes, do maternal (com desenhos) até a 3ª série do Ensino Médio, escreveram mais de mil cartas. Em resposta, foi realizada uma audiência no Colégio com a presença de representantes da escola, pais e Prefeitura.


Assembleia com representantes da escola e da Prefeitura de Contagem para discutir a coleta seletiva


Bags individuais e caixas coletoras para coleta seletiva

O Colégio também deu impulso à coleta seletiva lançando bags individuais e caixas coletoras padronizadas para as salas de aula e administrativo.


Escola ofereceu um novo carrinho para a catadora D. Olendina, que atende à escola desde 2009.


D. Olendina recebe um novo carrinho das mãos dos alunos

Pelos animais

Dentro da Plataforma Terráqueos, um grupo de estudantes e professores se identificou com a causa animal. A cada quinze dias, a equipe que tem mais de 100 integrantes reúne-se para planejar ações em favor dos animais. Eles já realizaram duas feiras de adoção de animais que aconteceram no Colégio e incentivam com frequência o trabalho do socorrista de animais Franklin Oliveira.

Feira de adoção de animais

Duas feiras de adoção já foram promovidas pela Plataforma Animal em 2012 e 2013. Aproximadamente 30 cachorros abandonados foram adotados. Alunos participam de todo o processo e organização da feira.

Alunos da Plataforma Animal, responsáveis pela 1ª Feira de Adoção em 2011

Criação de uma delegacia de proteção animal no estado de Minas Gerais

O Colégio Santo Agostinho – Contagem foi responsável por recolher 5.800 assinaturas, o que retrata a seriedade da proposta e o envolvimento dos estudantes. Esse resultado expressivo foi notado pelo Movimento Mineiro de Defesa Animal que convidou a diretora Aleluia Heringer para participar da entrega das assinaturas ao governador.


Alunos do 5º ano que participaram ativamente da coleta de assinaturas para a Criação da Delegacia de Proteção Animal


Plataforma Animal: reunião entre estudantes, docentes e representante da Zoonoses de Contagem